sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Está na hora de escolher o filhote

É possível observar o comportamento dos filhotes da ninhada e perceber pequenos sinais do que pode vir por aí

Divulgação

Depois de tanta procura você finalmente se decidiu por um cãozinho de estimação e está pronto para escolher um filhote. Apesar de ser lindo e fofo, um filhote requer atenção, trabalho e muita paciência – mais ainda do que isso, requer observação.  Quem já leu “Marley & Eu”, de John Grogan, além das boas risadas, percebeu que a orientação para se escolher um bom animalzinho era clara: conheça seus pais.

A primeira coisa que você precisa saber é que comprar ou adotar um filhote não basta apenas a pesquisa da internet. É preciso ir até o local onde ele está e conhecer os seus pais, não apenas para se certificar da raça, caso tenha uma, mas também para ver o comportamento de ambos, pois os filhotes da ninhada tendem a ter um comportamento similar. Além disso, é de extrema importância que você tenha em mente as características da raça e observá-las na mãe e no pai. Mas e se for uma ninhada abandonada? Existem regras que valem para todos os cães.

Você está pronto para escolher o seu companheiro? A observação agora se volta para o comportamento dos filhotes. Nós temos a tendência de escolher sempre o primeiro que vem em nossa direção – “Veja só, ele me escolheu!” -, e isso, acredite, tem uma mensagem.  Geralmente esses são os que tendem a serem mais brincalhões e “bagunceiros” e alguns podem ser os líderes da matilha. Tudo isso significa que provavelmente você terá que ter paciência e muita energia. Ao contrário dos peludinhos que largam na frente, os que ficam acuados ou mais afastados podem ter outras características, como medo ou braveza, que em ambos os casos podem trazer um comportamento mais agressivo.  Com estes, a dica é simplesmente ter muita disciplina.

Porém, não basta apenas uma visita de 10 ou 15 minutos para ter certeza do comportamento do filhote. É preciso que você fique ali no mínimo por 40 minutos – e isto é tempo suficiente para você questionar ao dono dos animais sobre suas dúvidas ou curiosidades. O peludo perfeito seria aquele que fica no meio termo, não sendo agitado demais e nem muito quieto, mas sabemos que é quase imperceptível um leigo compreender todos os movimentos do filhote. Você também pode questionar suas dúvidas a um especialista de comportamento canino ou veterinário de sua confiança.

Mas uma observação é certa: existe um cãozinho feito para você! E não importa se é um SRD ou de raça, se é medroso ou bagunceiro. Quando você bater o olho, vai saber que é ele e não tem outro. Essa conexão existe - assim como existe entre seres humanos - e por mais trabalho que você tenha com ele dali pra frente, quando olhar para aquele rabinho abanando, aquela linguinha de fora, aqueles pulos e corridas loucas, ainda vai olhar para ele e pensar “foi a melhor coisa que fiz na minha vida”.


Um comentário:

  1. Muito boas as dicas. Leitores sempre lembrem que filhote é filhote e adulto é adulto. AO escolher seu filhote atenção para a raça como a Alessandra relata. Ele pode ser de uma raça que vai crescer. Seu ambiente o acolherá filhote. E como adulto?

    ResponderExcluir