sexta-feira, 11 de novembro de 2016

A nossa memória está sumindo

Pressa, tempo, ansiedade: cérebro está “sem tempo” para armazenar informações, mas ainda “tem tempo” para mudar

Diversos fatores podem causar lapsos na memória

Estamos esquecendo as coisas mais rapidamente. Isto, infelizmente, tem sido uma realidade no mundo inteiro. O dia a dia corrido, a falta de tempo o alto grau de pressão e de cobrança, privação do sono e o excesso de informações, estão deixando o cérebro humano incapacitado de memorizar fatos e acontecimentos. O sistema começa a ficar falho, seguido de lapsos, “em branco”, esquecimentos, e quando nos damos conta do que está acontecendo de fato, o impacto dessa percepção ainda pode nos fazer mal. 

“Pessoas esquecidas sentem-se frustradas, incomodadas, passam a confiar menos em si e desenvolvem o temor de estar diante de uma doença neurológica grave ou progressiva”, diz o neurologista, Dr. Leandro Teles. Para fixar a informação, o cérebro precisa de uma boa dose de atenção, uma excelente percepção, um adequado sistema de quantificação de relevância e uma organização minuciosa da informação. De acordo com o especialista, a maioria dessas falhas são decorrentes de hábitos e comportamentos inadequados, sendo que não existem – na maior parte das vezes – um processo degenerativo cerebral. O Dr. Teles dá algumas dicas para manter uma memória excelente e hábitos saudáveis:

1- Faça uma coisa de cada vez
O famoso modo multitarefa é muito prejudicial para o rendimento da atenção e da memória. Quanto mais atividades e informações concomitantes, maior a taxa de erros e as falhas de fixação. A melhor qualidade cognitiva é alcançada quando nos engajamos em uma única atividade mental. 

 2- Controle a Ansiedade
A ansiedade é um dos maiores vilões da memorização. Pessoas ansiosas têm um foco alocado no futuro e apresentam uma tensão mental contínua que compete com informações relevantes da atividade vigente. Com isso podem ficar dispersas, com francas dificuldades de fixação, organização e evocação de suas lembranças.  

 3-Cuide dos seus ambientes
Ambientes com excesso de informações são prejudiciais para quem busca um bom rendimento mental. Prefira ambientes silenciosos, organizados, com decoração leve e adequadamente iluminados.

 4- Desacelere
Uma das variáveis mais importantes para o cérebro é o tempo. Uma boa memória nasce da interação de um estímulo apropriado (intenso, relevante e repetido), com um cérebro capacitado (saudável, engajado e emocionalmente equilibrado), de uma forma adequada e com tempo suficiente.  Vivências rápidas e superficiais são um prato cheio para o esquecimento. 

 5- Desligue o piloto automático
Diante de uma informação importante você precisa agir, desligue o piloto automático e interaja ativamente com a informação. Avise seu cérebro que aquilo precisa ser memorizado, amplifique aspectos relevantes, crie links mentais para uma futura evocação, escreva, circule, transforme um estímulo monossensorial em algo multissensorial - qualquer intervenção consciente no ato da vivência amplifica a chance desta se tornar uma boa lembrança. Quanto mais criativa, engraçada ou emocional for a intervenção, melhor. 

6. Revise precocemente
Tudo que o cérebro viu pela segunda vez ele considera relevante. Isso é muito importante para vivências que não tiveram muito destaque ou interação no ato da primeira percepção.  O melhor momento para a primeira revisão é dentro das primeiras 24 horas do primeiro contato, quando a informação ainda está acessível ao cérebro por proximidade temporal. 

7. Durma Bem
Quem dorme mal perde duas vezes no quesito memorização. Primeiro, deixa de organizar as memórias do dia anterior; segundo, prejudica muito o nível de atenção do dia seguinte, piorando a performance cerebral. E dormir bem não é só em quantidade de horas, mas também em qualidade das horas dormidas.

8. Faça Atividades Físicas
Exercícios geram um contexto bioquímico cerebral favorável a atenção, memorização e criatividades. Os exercícios levam o corpo a produzir serotonina, endorfinas, dopamina e adrenalina, todos importantes para o rendimento cognitivo e emocional. De quebra, reduz o estresse e melhora o sono. Do ponto de vista hormonal, a atividade aeróbica prazerosa derruba os níveis de cortisol (hormônio do estresse) que também pode atrapalhar o gerenciamento intelectual.

9. Atividades Mentais
Um cérebro treinado e ativo é muito mais confiável. E para mantê-lo assim você precisa desafiá-lo sempre, tirando-o de sua zono de conforto, do tédio e da rotina previsível.  Faça exercícios mentais, passatempos, cultive o hábito da leitura, aprenda um novo instrumento, uma língua, um novo esporte ou hobby. Faça coisas do seu cotidiano de formas diferentes, como caminhos, por exemplo. Assim seu cérebro desenvolverá cada vez mais ferramentas cognitivas para te auxiliar em momentos de maior dificuldade. 

0 comentários:

Postar um comentário