Testamos: Produtos da Petbrilho

Alguns produtos do mercado estão aí para nos ajudar. São infinitos “pipi pode”, “pipi não pode”, “anti mordedura”, “anti mutilação”, que todo dono de pet costuma ter em casa

Projeto criado por defensora incentiva leitura entre presidiárias

Iniciativa desenvolvida no Instituto Penal Oscar Stevenson contempla, com kits de produtos de higiene pessoal e beleza, detentas que leem regularmente. Pela regra atual, cada livro lido reduz a pena em quatros dias

3 exercícios para quem fica muito no celular

Ficar com o aparelho na mão pode comprometer a saúde do corpo

WhatsApp e redes sociais: pessoal e profissional não devem interferir um no outro

Uso das ferramentas online é cada vez mais comum por parte de empresas e funcionários, porém elas podem causar grandes desgastes nas relações trabalhistas e pessoais

Sustentabilidade nas pizzarias

Estabelecimentos apostam na saúde do meio ambiente para levar o melhor sabor à mesa

domingo, 19 de março de 2017

Crítica: Mistborn: Nascidos da Bruma

Sanderson continua com a narrativa afiada mas coloca seus primeiros erros em ação na trilogia



Brandon Sanderson é, talvez, um dos autores que mais causam euforia nos grupos de leitura. Ele deve ser um dos grandes nomes da fantasia atual que vai perdurar alguns bons anos na memória dos leitores, e não é para menos. Após o lançamento do volume único de Elantris (que você pode conferir a crítica neste link), é pouco viciante para quem lê, querer continuar com a mesma qualidade de narrativa em suas próximas aventuras. Com uma proposta diferenciada, porém ainda no cenário da fantasia, a série Mistborn: Nascidos da Bruma tem muito ainda que nos surpreender.

De seu primeiro volume, O Imperial Final, ao último, O Herói das Eras, os cenários continuam os mesmos fisicamente, mas o enredo inteiro se transforma – o que dá uma idéia de cronologia um pouco diferente do que ocorre, na verdade. A impressão é que se passaram décadas entre um e outro, e não apenas um ano ou dois. Mas isto é apenas uma sensação. O Império Final traz como protagonista uma personagem feminina, Vin, que quebra todos os esteriótipos de donzela, princesa ou mais recentemente, de damas inteligentes e manipuladoras. Vin é simples: uma criança que cresceu entre ladrões, se precavendo do universo masculino, da nobreza, da confiança e da amizade. Porém, ela se descobre ser uma Nascida das Brumas, um dos pouquíssimos alomanticos com o poder de controlar todos os metais - assim como Kelsier, o líder da rebelião ska (digamos, os pobres) que luta contra a nobreza e o sistema criado pelo Senhor Soberano.  Mistborn é, portanto, pura lógica e magia. Em meio a todo este processo, há Elend Venture, filho de um nobre e herdeiro de uma das Casas mais influentes do Império, que é justamente o contrário de Vin no quesito de “quebra de esteriótipos): um grande cavalheiro, inteligente, charmoso, bonito, justo e bom.

Como o objetivo aqui não é dar spoilers, é preciso seguir sem contar nada que possa estragar a história para o leitor. Se você espera pelo óbvio, esqueça. Mistborn é cheio de “pegadinhas” que te jogam a outros pensamentos, afastando-o do verdadeiro fim. São diversos personagens e raças que possuem suas próprias histórias para contar e Sanderson consegue fazer com que todas elas se choquem em um final impressionante. Mas veja bem, impressionante não quer dizer excepcionalmente bom. A partir do segundo volume, O Poço da Ascensão, o autor começa a ditar o ritmo onde a magia é importante, mas a religião é quem comandará a série como um todo. Personagens chatos que poderiam muito bem nunca terem existido, estão ali. Outros tão bons parecem perdidos em um ar carregado de falsos cenários políticos e lutas. E apesar das coisas começarem a se encaixar, a mente do leitor divaga um pouco, acreditando que sua idéia original seria um final melhor, embora mais previsível.

Mistborn deixa claro que uma boa história com personagens mal desenvolvidos ou escritos podem ser um grande problema. Afinal, o que fazer quando você, leitor, acredita que apesar desses problemas o fim será muito, mas muito *demais*, e chega ao fim e diz: “Ah, nossa! Legal, mas precisava ser assim mesmo?”. Brandon Sanderson se empolgou muito e perdeu a mão na hora de encerrar a sua série com chave de ouro. Há opiniões diferentes, é claro. Muitos adoraram, outros nem tanto.


De fato, ele consegue entregar todas as pontas soltas dos três volumes, muito bem amarradas e acredito que, assim como no meu caso, o final te fará refletir em inúmeras outras coisas: religião, criação, universo, vida, morte, conhecimento, ignorância, poder, e sinônimos de tudo isso que nem sempre querem dizer a mesma coisa. Mistborn é bom? Sim. Vale a leitura? Claro. Mas ainda falta a mesma “sensibilidade” e o toque sutil aos personagens que foram tão bem criados em Elantris

domingo, 5 de março de 2017

Os benefícios da banana

Aprenda a fazer a biomassa de banana verde, uma das frutas mais nutritivas e multifuncionais 

Divulgação
Seja ela ouro, nanica, prata, caturra ou maçã. Comum no hábito alimentar da maioria das pessoas, a banana é uma das frutas mais consumidas pelos brasileiros. Nutritiva e prática para o consumo, a lista de benefícios para a saúde é imensa - é rica em fibras, potássio, magnésio, fósforo e vitaminas do complexo B, e boa quantidade do aminoácido triptofano, fundamental para as funções cerebrais.

Segundo a nutricionista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Sueleen Rodrigues, a fruta é indicada como alimento para evitar cãibra, para quem faz uso de diuréticos, para ajudar no emagrecimento e perfeita para consumo antes de atividades físicas. “Ela também é indicada no combate a depressão e baixo humor, porque auxilia no aumento da produção da serotonina, um neurotransmissor responsável pelo bem estar e prazer”, comenta Sueelen.

A dica da nutricionista é consumi-la logo no café da manhã. “A fruta pode ajudar o dia a começar melhor, pois ajuda no bom humor. Misturá-la com chia ou linhaça batidos com leite é uma ótima opção”, recomenda.
A banana é também indicada para quem não abre mão da atividade física, mas sofre com as temidas cãibras, devendo ser consumida antes do treino. “Lembrando que neste caso é importante que a quantidade deve ser prescrita por um nutricionista, pois o consumo em excesso também pode refletir no desempenho da atividade física”, explica a nutricionista.

Quando verde, a fruta possui uma maior concentração de amido resistente, considerado um carboidrato de baixo índice glicêmico, que atua positivamente na liberação de glicose sanguínea, sem gerar picos, e que mantém os níveis glicêmicos mais controlados através de uma menor liberação de insulina. “Esse controle beneficia praticantes de atividades físicas e os diabéticos. Mas a banana tem que estar ainda verde, pois quando madura o amido se transforma em frutose e não apresenta o mesmo benefício”, esclarece.

É possível também apreciá-la como biomassa ou como farinha. Para ser ingerida como biomassa a banana deve ser cozida, já na forma de farinha pode ser adquirida pronta, em locais de boa procedência. “Em ambas as formas existe o benefício para o emagrecimento e para o humor. Como biomassa pode ser substituto em preparações que usem o creme de leite, já como farinha pode ser adicionada em vitaminas, sucos e iogurtes, deixando-os mais nutritivos”, diz. Mas o detalhe fica por conta da quantidade ingerida.

Outro ponto forte da banana é que, por possuir amido, promove aumento da saciedade, reequilibra a microbiota intestinal, auxilia na manutenção da integridade da mucosa intestinal e na redução de sua produção de colesterol pelo fígado.

Biomassa de Banana Verde


Confira a receita de biomassa de banana verde indicada pela equipe de nutrição do HNSG:

- Retire as bananas do cacho com cuidado, preservando os talos.
- Higienize as bananas com água e sabão .
- Coloque no fogo uma panela de pressão com água até a metade e deixe ferver.
- Assim que a água ferver, coloque as bananas higienizadas na água quente da panela de pressão para que levem choque térmico.
- Tampe e deixe em fogo alto até começar a chiar.
- Quando começar a apitar, abaixe o fogo e deixe na pressão por 8 minutos.
- Desligue e espere a pressão sair normalmente, sem forçar.
- Abra a panela e com a ajuda de um pegador, retire as bananas e vá retirando as polpas.
- Coloque as polpas em um liquidificador ou processador e bata com um pouco de água se necessário (Não utilize a água do cozimento das bananas para bater, utilize água nova).
- Não deixe esfriar, bata a polpa quente até formar uma pasta bem espessa, a biomassa . 

Estão abertas as inscrições para a Orquestra Maréimbau

Projeto oferece 40 vagas para crianças e jovens da Maré

Divulgação

Até o dia 30 de março, crianças e jovens entre 7 e 14 anos moradores do Complexo da Maré poderão se inscrever na Orquestra Maréimbau, que oferece 40 vagas para ensinar a tocar instrumentos como violino, violoncelo, flauta, clarinete e percussão.  As aulas são gratuitas e ministradas pelo maestro Ricardo Mirapalheta, responsável do Instituto Staumbor e idealizador do projeto, que conta com o patrocínio da LAMSA, concessionária que administra a Linha Amarela, e apoio do Instituto Invepar.

O projeto promove a Série Concertos Didáticos, em que os alunos da Orquestra se apresentam gratuitamente toda última quinta-feira do mês na Rua Capivari, 39, às 18h no Morro do Timbau para uma plateia aberta.

As aulas começam no dia 6 de março e acontecem às terças e quintas, das 14h30 às 18h30, na sede do Instituto Staumbor na Rua Luiz Ferreira, 220, em Bonsucesso. Os interessados precisam se inscrever presencialmente na sede do projeto e levar a certidão de nascimento, comprovante escolar, duas fotos 3x4 e um comprovante de residência. Inscrições gratuitas. Informações pelo site www.staumbor.org.br ou pelo e-mail staumborfm8@bol.com.br.


Como refrescar o animal em dias quentes de forma adequada e sem prejudicar a saúde

Alimentação, água gelada, tosa e os cuidados com a hipertermia

Divulgação

Em um país tropical como o Brasil é muito comum os dias baterem os 30ºC de temperatura e nestes casos, assim como nós humanos, os animais também sofrem. Com os dias quentes, os donos de cães - principalmente dos peludos - tentam de tudo para tentar refrescar seus companheiros. Mas quais são os cuidados necessários a serem tomados para não prejudicar a saúde dos bichinhos?

Tosar, molhar o coxim, fornecer água gelada, tapetinho gelado ou até mesmo usar um borrifador de água, são algumas das medidas que ajudam a aliviar o calor. Inclusive, pode-se acrescentar algumas pedrinhas de gelo no bebedouro, para manter a água fresca por mais tempo. De acordo com a veterinária Paula Cordovani, da Animal Placebo, animais que passam longos períodos sozinhos dentro de casa ainda devem contar com o ventilador ou ar condicionado, se possível alguma janela aberta, além do uso de bebedouros com reservatórios.

“A ingestão de alimentos também diminui em dias quentes, por isso é comum que comam menos. Uma boa dica é fornecer alimentos úmidos, como latas ou saches, e frutas”, complementa. As contra indicações ficam restritas às frutas cítricas e tóxicas para os cães como tomate, laranja, tangerina, morango, abacaxi, uva, carambola, etc, além de animais diabéticos ou que já apresentam alguma hipersensibilidade a algum outro alimento.

Tosar ou não tosar, eis a questão

A tosa é sempre indicada em épocas de calor. Muitos donos cometem pequenos erros que podem comprometer a saúde do animal, como por exemplo, não tosá-lo para manter a beleza da raça ou fazer a retirada de subpêlos. A pelagem dos cães proporciona um equilíbrio térmico natural, mas a tosa – que pode ser mínima – não deve ser descartada. O subpêlo é o responsável por essa proteção, e de acordo com Paula, dependendo da raça, não é indicada a sua retirada, pois eles podem não nascer novamente e causar grandes problemas.

Outra grande preocupação dos donos é saber quando os cães estão passando calor ou quando estão com algum mal estar ou problemas mais sérios, como a hipertermia. A hipertermia acontece justamente nos dias quentes, quando há a elevação da temperatura corporal, e por isso, merece muita atenção. “Ela passa a ser um problema quando o animal tem dificuldade pra respirar (ofegante), salivação intensa, dificuldade para andar e se levantar, e ao tocar no animal é possível sentir que o animal está muito mais quente que o normal”, afirma a veterinária.


Um dos sinais preocupantes que é possível observar é a língua de fora, que é algo natural nos cães, já que realizam a troca de calor por ela. Porém, a melhor forma de notar que o cão não está respirando adequadamente é a coloração e o excesso de saliva. Se a língua estiver azulada ou cinza é recomendável procurar um hospital veterinário com urgência. Por isso, é importante estar sempre observando o seu animal e tomar os devidos cuidados com a saúde dele durante o verão. 

Divulgação