domingo, 5 de março de 2017

Como refrescar o animal em dias quentes de forma adequada e sem prejudicar a saúde

Alimentação, água gelada, tosa e os cuidados com a hipertermia

Divulgação

Em um país tropical como o Brasil é muito comum os dias baterem os 30ºC de temperatura e nestes casos, assim como nós humanos, os animais também sofrem. Com os dias quentes, os donos de cães - principalmente dos peludos - tentam de tudo para tentar refrescar seus companheiros. Mas quais são os cuidados necessários a serem tomados para não prejudicar a saúde dos bichinhos?

Tosar, molhar o coxim, fornecer água gelada, tapetinho gelado ou até mesmo usar um borrifador de água, são algumas das medidas que ajudam a aliviar o calor. Inclusive, pode-se acrescentar algumas pedrinhas de gelo no bebedouro, para manter a água fresca por mais tempo. De acordo com a veterinária Paula Cordovani, da Animal Placebo, animais que passam longos períodos sozinhos dentro de casa ainda devem contar com o ventilador ou ar condicionado, se possível alguma janela aberta, além do uso de bebedouros com reservatórios.

“A ingestão de alimentos também diminui em dias quentes, por isso é comum que comam menos. Uma boa dica é fornecer alimentos úmidos, como latas ou saches, e frutas”, complementa. As contra indicações ficam restritas às frutas cítricas e tóxicas para os cães como tomate, laranja, tangerina, morango, abacaxi, uva, carambola, etc, além de animais diabéticos ou que já apresentam alguma hipersensibilidade a algum outro alimento.

Tosar ou não tosar, eis a questão

A tosa é sempre indicada em épocas de calor. Muitos donos cometem pequenos erros que podem comprometer a saúde do animal, como por exemplo, não tosá-lo para manter a beleza da raça ou fazer a retirada de subpêlos. A pelagem dos cães proporciona um equilíbrio térmico natural, mas a tosa – que pode ser mínima – não deve ser descartada. O subpêlo é o responsável por essa proteção, e de acordo com Paula, dependendo da raça, não é indicada a sua retirada, pois eles podem não nascer novamente e causar grandes problemas.

Outra grande preocupação dos donos é saber quando os cães estão passando calor ou quando estão com algum mal estar ou problemas mais sérios, como a hipertermia. A hipertermia acontece justamente nos dias quentes, quando há a elevação da temperatura corporal, e por isso, merece muita atenção. “Ela passa a ser um problema quando o animal tem dificuldade pra respirar (ofegante), salivação intensa, dificuldade para andar e se levantar, e ao tocar no animal é possível sentir que o animal está muito mais quente que o normal”, afirma a veterinária.


Um dos sinais preocupantes que é possível observar é a língua de fora, que é algo natural nos cães, já que realizam a troca de calor por ela. Porém, a melhor forma de notar que o cão não está respirando adequadamente é a coloração e o excesso de saliva. Se a língua estiver azulada ou cinza é recomendável procurar um hospital veterinário com urgência. Por isso, é importante estar sempre observando o seu animal e tomar os devidos cuidados com a saúde dele durante o verão. 

Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário