Testamos: Produtos da Petbrilho

Alguns produtos do mercado estão aí para nos ajudar. São infinitos “pipi pode”, “pipi não pode”, “anti mordedura”, “anti mutilação”, que todo dono de pet costuma ter em casa

Projeto criado por defensora incentiva leitura entre presidiárias

Iniciativa desenvolvida no Instituto Penal Oscar Stevenson contempla, com kits de produtos de higiene pessoal e beleza, detentas que leem regularmente. Pela regra atual, cada livro lido reduz a pena em quatros dias

3 exercícios para quem fica muito no celular

Ficar com o aparelho na mão pode comprometer a saúde do corpo

WhatsApp e redes sociais: pessoal e profissional não devem interferir um no outro

Uso das ferramentas online é cada vez mais comum por parte de empresas e funcionários, porém elas podem causar grandes desgastes nas relações trabalhistas e pessoais

Sustentabilidade nas pizzarias

Estabelecimentos apostam na saúde do meio ambiente para levar o melhor sabor à mesa

sábado, 19 de agosto de 2017

3 exercícios para quem fica muito no celular

Ficar com o aparelho na mão pode comprometer a saúde do corpo

Divulgação

São infinitas horas à frente do inseparável celular. Seja para trabalhar, bater papo, estar mais próximo dos amigos, responder emails, escutar música, pesquisar ou só tentar se distrair. O resultado disso? Má postura, diminuição do espaço intervertebral na região cervical e até cifose (desvio da coluna vertebral). 

Para trabalhar a favor da saúde, agindo na força contrária dos malefícios que o telefone pode trazer, a profissional de educação física, Audrea Lara - idealizadora do Ballet Pilates – ensina como fortalecer a musculatura dorsal e extensão do tronco para que os prejuízos são sejam percebidos. “Ao mexer no aparelho projetamos a cabeça cada vez mais para frente, o que a faz pesar muito mais em relação ao tronco, por isso é tão essencial exercitar a região”, diz a profissional.

Exercício 1
Em pé, entrelace as mãos atrás da cabeça, faz uma força da cabeça contra as mãos, deixe o queixo em 90 graus e abaixe os ombros. Esse exercício serve para aumentar espaço intervertebral na região cervical.

Exercício 2
Deite de barriga para baixo, aprofunde o abdômen e abaixe os ombros para fortalecer a região dorsal e abaixe o queixo. Tente então levantar o tronco com as mãos entrelaçadas atrás da cabeça, pressionando a cabeça contra as mãos e os ombros para baixo. Estenda o tronco, inspire, solte o ar e abaixe. Sempre aprofundamento o abdômen projetando o púbis para o chão. Inspire quando levantar e expira quando abaixar o tronco.

Exercício 3
Ainda de barriga para baixo use a bola grande de pilates e a envola no seu corpo com o abdômen junto a bola. Coloque as mãos entrelaçadas atrás da cabeça e estenda o tronco e volte, sempre abraçando a bola sem desgrudar a barriga do acessório.

domingo, 6 de agosto de 2017

Testamos: Produtos da Petbrilho!

Alguns produtos do mercado estão aí para nos ajudar. São infinitos “pipi pode”, “pipi não pode”, “anti mordedura”, “anti mutilação”, que todo dono de pet costuma ter em casa, principalmente quando seu melhor amigo ainda é um filhote. Infelizmente, mesmo depois de adultos, eles continuam com algumas manias insuperáveis. Testei alguns produtos da Petbrilho e vocês podem conferir agora a avaliação e eficácia para usar nos seus:


Um dos grandes dilemas de todo tutor de um cão é o xixi. O meu cãozinho, por exemplo, já aprendeu onde precisa fazer suas necessidades, mas às vezes ele “bate na trave”. Por isso decidi testar o kit Varre Xixi, que vem em uma caixa com pá, vassourinha e um pote com uma substância em pó que promete secar a urina do seu bichinho. O kit é simples: achou um xixi no chão? Salpique o pó por cima e espere 1 min. O que era líquido será totalmente absorvido e você poderá recolher com a pá e a vassourinha.



O perfume suave do pó cobre o cheiro da urina e apesar da fabricante informar que não é necessária mais limpeza, ainda considerei a passagem de um pano com desinfetante – apenas por garantia de higiene do local. Muito cuidado na hora em que for limpar a vassourinha, pois o pó pode ficar grudado nela e você aspira um pouco se balançar ou sacudir dentro do lixo, por exemplo.



Outro produto foi o Banho a Seco, essencial para os dias de inverno – e porque não dizer também os de “preguiça” -, para manter o pet limpinho. Ao passar seguindo as recomendações da embalagem, não posso dizer que é notável visualmente, alguma diferença. Isto não. Porém, tirou aquele mal cheiro e o deixou muito perfumado. Algumas visitas me questionaram se havia acabado de dar banho nele e apenas tinha aplicado o banho a seco no dia anterior. Em outras palavras, o produto é bom e eficaz.


Também tive a oportunidade adquirir um Condicionador de Cereais da fabricante, que estou usando junto com o shampoo da marca Colie, de morango. Não costumo misturar duas marcas, mas dessa vez mudei de ideia pois ambos os cheiros eram maravilhosos. O pelo ficou muito macio e brilhante, assim como a pele por baixo. Além de ter ficado fácil de pentear, tive a impressão que a higiene se manteve por mais tempo, ou seja, aparência menos suja e um cheiro que foi facilmente coberto pelo banho a seco.


Enfim, minha impressão sobre a marca foi bastante positiva. Acredito que nada seja 100% e pode variar de pet para pet, ambiente, etc, mas a marca cumpre o que promete e agrada não somente no resultado como também no bolso do consumidor quando comparados a outros do mercado.  E você? O que acha?

Projeto criado por defensora incentiva leitura entre presidiárias

Iniciativa desenvolvida no Instituto Penal Oscar Stevenson contempla, com kits de produtos de higiene pessoal e beleza, detentas que leem regularmente. Pela regra atual, cada livro lido reduz a pena em quatros dias


Há pouco mais de seis meses um grupo de detentas do Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, participa de uma iniciativa que pretende combater dois dos muitos problemas dentro de uma unidade prisional: o ócio e a falta de produtos de higiene básicos. A ideia é simples: a leitura de um livro, seguida de redação com as impressões sobre a narrativa, vale kit com artigos raros nas celas, como sabonete, xampu e absorventes.

Foi a defensora Melissa Razuk Serrano, há 17 anos em atuação no Núcleo do Sistema Penitenciário, que apresentou a sugestão à direção do instituto penal e conseguiu que amigos doassem os títulos e os brindes. No último dia 19 de junho, sem muito alarde, mas com cachorro-quente e bolo, as primeiras 12 leitoras a concluírem a tarefa ganharam os kits.

– A alegria das mulheres foi espantosa.  Elas não sabiam que seriam premiadas pela leitura e pela redação ­­– conta Melissa.

No final do ano passado, a defensora fez chegar ao instituto penal cerca de 300 livros, de todos os gêneros, deixados à escolha das detentas. Para dar início ao círculo de leitura, foi fundamental contar com a simpatia da inspetora encarregada da precária biblioteca local, que compreendeu de pronto a relevância da atividade.

– O simples fato de ler as ocupa. E colocar no papel o que acharam do texto estimula a capacidade crítica. Não peço uma resenha. A sugestão é que proponham finais alternativos ao dado pelo autor, que exponham o que gostaram ou não gostaram do desenrolar e do desfecho da história e, principalmente, que avaliem como poderiam agir se estivessem na pele dos personagens ­– explicou a defensora

Na unidade Oscar Stevenson, estão mulheres em regime semiaberto, algumas com autorização para saídas temporárias, destinadas às visitas à família e à atividade remunerada fora da unidade. Muitas, porém, passam o dia sem ocupação.

Em 2013, recomendação do Conselho Nacional de Justiça abriu a possibilidade de remição pela leitura: a cada livro lido, quatros dias a menos de pena. Melissa, porém, pensou em colaborar para a implantação de uma rotina menos burocratizada, “mais motivadora, que despertasse nas detentas o orgulho pela leitura e as recompensasse de imediato, com itens necessários ao dia a dia” no sistema prisional.

– Não quis nada que dependesse de decisão judicial – diz, lembrando que espera análise de uma dezena de pedidos de remição pela leitura, em nome de detentas da Penitenciária Talavera Bruce, em Gericinó.

A próxima bateria de leitura será mais dura para as mulheres do Oscar Stevenson: um kit para cada três livros lidos e respectivas redações entregues. Melissa não tem dúvida de que a adesão ao projeto continuará grande, considerando, em especial, a euforia causada pela distribuição dos artigos de higiene e beleza, em embalagem caprichada. Cada kit continha xampu, condicionador, aparelho para depilação, absorventes, pasta de dente, desodorante, esmalte de unha e hidratante corporal, item de maior sucesso entre as contempladas.


Essa não foi a primeira vez que a defensora buscou doações de produtos básicos que deveriam ser fornecidos pelo estado. Em outubro do ano passado, o Talavera Bruce recebeu mais de seis mil absorventes e mais de duas centenas de medicamentos arrecadados por ela entre amigos e em campanha junto a estudantes da Universidade Veiga de Almeida.